Segurança da Informação: Alguém está a salvo?

Apesar de toda evolução da área de segurança da informação, nenhuma empresa está imune aos ataques cibernéticos. Isso porque, assim como as tecnologias ficam mais sofisticadas, os hackers também ficam.

Uma pesquisa feita pela Check Point Software, fornecedora de soluções de cibersegurança, mostra que o Brasil registrou alta de 37% no número de incidentes no terceiro trimestre de 2022, em relação ao mesmo período de 2021.

“O cenário da cibersegurança mudou muito nos últimos anos. O que antes era um simples spam chegando por e-mail ou um computador infectado que apresentava lentidão excessiva, agora é algo que coloca a sobrevivência do negócio em risco devido às complexidades das violações”, disse Nycholas Szucho, conselheiro de cibersegurança e tecnologia do Movimento Inovação Digital (MID), que mediu o painel “Jornada fluida e omnicanal vs segurança da informação: o grande dilema” durante o Club iX.

Confira o que os demais participantes falaram sobre o tema:


“Ficamos 22 dias com os sistemas fora do ar. Nada rodava, nem folha de pagamento. Mas nenhum serviço ao cliente deixou de funcionar, pois estávamos preparados e atuamos rapidamente”, Celso Tonet, diretor de experiência do cliente da Claro


“O profissional de TI precisa ser capaz de explicar e tangibilizar problemas, como vazamentos e sequestro de dados, e inserir o tema na rotina de todos: da comunicação à gestão das pessoas”, Guilherme Kato, CTO do dr. consulta e líder do Comitê de Tecnologia do MID


“É preciso se preparar para possíveis ataques. O que a brigada de incêndio faz nos prédios é exatamente isso: ensaiar o que fazer em um possível incêndio”, José Luiz Santana, partner & CSO do C6 Bank.


“A TI deixou, de vez, o papel apenas processual e isolado, e está inserida na plataforma de atendimento e de experiência ao consumidor, por exemplo”, Rafael Bonjorno, vice-presidente de consumer care & ownership experience solutions na Electrolux.

Leia a reportagem completa na 9ª edição da revista INOVATIVOS.

+ mais lidas

Governança cliente-cêntrica: uma estratégia corporativa essencial e necessária

Quanto você pagaria para ver um gol do seu time do coração?

Presidente do Senado defende “urgência” na regulamentação da inteligência artificial

Governança cliente-cêntrica: uma estratégia corporativa essencial e necessária

Quanto você pagaria para ver um gol do seu time do coração?

Presidente do Senado defende “urgência” na regulamentação da inteligência artificial