ARTIGO: A convergência dos meios de pagamento e o impacto positivo na experiência do cliente

A convergência dos meios de pagamento está cada vez mais próxima da realidade, até porque já está acontecendo gradualmente. O futuro dos pagamentos será mais simples, rápido e prático, onde a convergência dos meios de pagamento será a chave para uma experiência ainda melhor

A evolução dos meios de pagamento nos últimos anos tem sido impressionante. No Brasil, a interoperabilidade nos pagamentos ganhou destaque em 2013, com o surgimento das fintechs. Agora, estamos prestes a dar mais um passo importante: a convergência dos meios de pagamento. Chegou a hora de unir cartões de crédito, débito, Pix e até mesmo criptomoedas em uma única funcionalidade. Prepare-se para uma revolução financeira que promete facilitar ainda mais a nossa vida!

A importância da interoperabilidade e das APIs

A interoperabilidade é fundamental para que diferentes sistemas e plataformas se conectem e se comuniquem entre si. No setor de pagamentos, ela desempenha um papel crucial, permitindo a comunicação eficiente e segura entre instituições financeiras, sistemas e provedores de pagamento. E como isso é possível? Através das APIs, ou Application Programming Interfaces. Essas interfaces permitem que diferentes sistemas acessem informações e realizem transações, desde que autorizados, de forma confiável e precisa. Com as APIs, os provedores de serviços de pagamento podem iniciar e confirmar transações financeiras em nome dos clientes, sem depender exclusivamente das interfaces das instituições financeiras tradicionais.

O Pix: uma revolução no mercado de pagamentos

Em 2020, o Banco Central lançou o Pix, um arranjo de pagamento inovador, rápido e eficiente. As fintechs aproveitaram essa oportunidade e se destacaram na oferta do serviço, contribuindo para a sua popularização. O Pix trouxe diversas funcionalidades, como o Pix Saque e Pix Troco, Pix Cobrança, Pix Parcelado e Pix Garantido. Também foi possível entender a convergência na prática, onde o DOC (já extinto) e a TED passaram a convergir para o Pix. Os cartões de crédito pré-pago e os de débito perderam a força e os serviços necessários com estes produtos passaram a ser utilizados pelo Pix. Os pagamentos nos estabelecimentos físicos e eletrônicos (online) cada vez mais são utilizados pelo Pix e a eficiência do Pix Saque e Pix Troco já superou os caixas eletrônicos (ATM). 

Com a plataforma de Iniciador de Transação de Pagamentos (ITP), que é o Pix operando na estrutura do Open Finance, outros serviços também passam a convergir, como o Débito Direto em Conta e o Boleto Bancário, além do aperfeiçoar ainda mais os pagamentos à vista nos comércios eletrônicos. Com o Pix, o Brasil se tornou referência mundial em inovação no mercado de pagamentos.

A convergência dos pagamentos: o futuro está chegando

Agora, é hora de dar um passo além. A convergência dos meios de pagamento é o momento em que cartões de crédito, débito, Pix e até mesmo criptomoedas se encontram em uma única funcionalidade. O Brasil lançou o DREX e outros países indo para o mesmo caminho. A economia global passa a ser “tokenizada” e tecnologias como Blockchain e estruturas DeFi (finanças descentralizadas) ganham mais espaço e importância para a convergência digital financeira. A rede de mensagens bancárias SWIFT, conhecida para as operações de transferências de valores internacionais, já está se modernizando para suportar operações em blockchain e operar de forma diferente da atual, convergindo para um modelo mais ágil e seguro.

Imagine poder pagar, transferir ou receber valores, independentemente da forma de pagamento escolhida, com apenas uma ação. Essa convergência trará mais praticidade e simplicidade para as transações financeiras do dia a dia. E o Brasil está na vanguarda dessa revolução, sendo um dos países mais evoluídos nesse quesito.

Desafios e oportunidades: construindo um futuro seguro e regulamentado

Claro que, como em toda evolução, existem desafios a serem superados. Questões regulatórias e de segurança são temas abrangentes e complexos que precisam ser endereçados para garantir o sucesso dessa convergência. O Brasil já possui mais de 100 instituições de pagamentos autorizadas pelo Banco Central, sendo que 23 são participantes diretos do Pix. Isso mostra o potencial desse mercado e as oportunidades disponíveis para empresas do setor. Empresas de softwares, consultorias financeiras, cibersegurança e regulatório têm um vasto caminho de oportunidades pela frente. Um caminho ainda em pavimentação, mas em passos largos.

A convergência dos meios de pagamento está cada vez mais próxima da realidade, até porque já está acontecendo gradualmente. A interoperabilidade nos pagamentos, impulsionada pelas APIs, abriu caminho para o surgimento do Pix e suas diversas funcionalidades. Agora, estamos caminhando rumo à convergência, onde cartões de crédito, débito, Pix e criptomoedas se unem em uma única funcionalidade. O futuro dos pagamentos será mais simples, rápido e prático. O Brasil está na vanguarda dessa revolução e tem um mercado cheio de oportunidades para empresas de diversos setores. Prepare-se para uma nova era financeira, onde a convergência dos meios de pagamento será a chave para uma experiência ainda melhor.

Artigo escrito por Túlio Iannini, fundador e CEO da U4C, especialista em ITP – Iniciador de Transação de Pagamentos – e empreendedor em tecnologia financeira

+ mais lidas

Governança cliente-cêntrica: uma estratégia corporativa essencial e necessária

Quanto você pagaria para ver um gol do seu time do coração?

Presidente do Senado defende “urgência” na regulamentação da inteligência artificial

Governança cliente-cêntrica: uma estratégia corporativa essencial e necessária

Quanto você pagaria para ver um gol do seu time do coração?

Presidente do Senado defende “urgência” na regulamentação da inteligência artificial