Por que premiamos a inovação digital?

US$ 4,5 trilhões. Este é o valor que as empresas ao redor do mundo devem investir em Tecnologia da Informação até o final do ano, segundo uma consultoria global. O montante é 5,1% maior em relação a 2021 e demonstra a importância da transformação digital nos negócios atualmente. Os gastos com soluções tecnológicas distintas foram a alternativa encontrada pelas marcas para operar em meio a uma crise sanitária e se destacar em um ambiente extremamente desafiador e competitivo, como o universo digital. Em função disso, muitas companhias se reinventaram e conquistaram o público por meio do aperfeiçoamento da experiência do usuário, do lançamento de novos produtos e serviços, do atendimento personalizado e de ofertas customizadas.

É para reconhecer quais práticas foram as mais inovadoras que o Grupo Innovation Xperience (iX), com o apoio oficial da Movimento Inovação Digital (MID), a FercomercioSP, a Accenture e a Fundação Dom Cabral, cria o Prêmio INOVATIVOS. Segundo Marcos Carvalho, Diretor Geral e Co-founder do Grupo iX, empresa idealizadora do Prêmio, observa-se uma grande diversidade de premiações no mercado que abordam a inovação de uma forma ampla, muitas vezes não conseguindo contribuir assertivamente para o desenvolvimento do tema.

“Temos a convicção de que toda empresa precisará ser, no todo ou em parte, digital. Caso contrário, não sobreviverá”

“Os negócios digitais, integrados ao mundo físico, não representam mais uma opção, mas uma questão de sobrevivência. Diante disso, uma visão convergente se faz fundamental. O propósito e o impacto positivo regem as novas normas éticas da sociedade, e este é o foco central da premiação e estudo: avaliar a Inovação Digital aplicada à transformação sustentável do negócio, aliada à geração de valor para os stakeholders“, afirma.

Marcos disse ainda que, com o objetivo de trazer transparência no processo e deixar um legado para o mercado, “reunimos uma tríplice analítica que irá auditar e certificar mutuamente suas visões, envolvendo três perfis que compõem a curadoria: Entidades Setoriais (MID e FecomercioSP), Consultoria Global (Accenture) e Instituição Acadêmica (Fundação Dom Cabral).”

Para Vitor Magnani, presidente da MID e CEDI da FecomercioSP, a iniciativa é muito mais que um prêmio, mas um legado para o país. “Temos a convicção de que toda empresa precisará ser, no todo ou em parte, digital. Caso contrário, não sobreviverá. Por isso, a MID e FecomercioSP trabalharão em conjunto para reconhecer os esforços dessas companhias, e no sentido de estimulá-las para os enfrentamentos dos desafios, que poderão ser superados com a inclusão de tecnologia e inovação.

“Temos a convicção de que toda empresa precisará ser, no todo ou em parte, digital. Caso contrário, não sobreviverá”

Magnani ainda complementa com a visão representativa. “A nossa expectativa, como entidades do setor, é entregar o melhor levantamento de casos de sucesso em inovação digital para inspirar e nortear tantas empresas que precisam aplicar essas novas metodologias e tecnologias em seus negócios”.

A Accenture deseja apoiar os casos de inovação e transformação digital no país e vê o prêmio como uma forma de estimular o aprendizado coletivo e compartilhado entre as instituições mais inovadoras do Brasil. Para tal, a Accenture combinou suas experiências em estratégia, transformação digital, inovação e ventures para definir e conduzir a metodologia de avaliação dos casos.

“Acreditamos que inovação digital é uma alavanca estratégica para transformações de negócio que impulsionam o crescimento das organizações e do nosso país. Apoiamos essas transformações e aprendizados como parte do nosso impacto na sociedade brasileira.”, afirma Ivan de Souza, líder de Estratégia na Accenture na América Latina.

Para Hugo Tadeu, diretor do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da Fundação Dom Cabral (FDC), a participação da escola de negócios no Prêmio significa uma etapa importante para uma maior inserção da FDC no ecossistema de inovação, destacando a preocupação com os aspectos de gestão e resultados, além dos temas vinculados ao ambiente tecnológico. “Nós consideramos que a inovação e o empreendedorismo são, acima de tudo, essenciais para o desenvolvimento de organizações mais produtivas e longevas e, contribuírem de forma significativa, para o desenvolvimento do país e da sociedade”, afirma o professor. 

“Nós consideramos que a inovação e o empreendedorismo são, acima de tudo, essenciais para o desenvolvimento de organizações mais produtivas e longevas e, contribuem de forma significativa para o desenvolvimento do país e da sociedade”