Como Osasco se tornou a cidade queridinha das empresas tecnológicas?

Smart

O que as empresas B2W, Americanas.com, Mercado Livre, iFood, Rappi, 99, Uber, Submarino, Dafiti e SEM PARAR têm em comum (além do viés tecnológico)? Todas elas estão baseadas na cidade de Osasco, estado de São Paulo. Com menos de 60 anos, algumas iniciativas adotadas pelo prefeito Rogério Lins mostram porque a cidade é considerada a queridinha entre as companhias tecnológicas.

 

Margeada pelas principais rodovias do estado de São Paulo e com menos de 70 km2, o local – antes, um bairro de São Paulo – tem todas as características para despontar como uma smart city. Os desafios, claro, estão presentes, assim como em todos os demais municípios do País, mas no que depender do prefeito, Osasco tem tudo para se tornar modelo para as demais regiões.

 

“Nos últimos cinco anos, implementados uma série de iniciativas em Osasco e a tecnologia tem sido uma grande aliada”, frisou. Ao visitar uma feira em Barcelona, na Espanha, Lins conta que foi adquirida uma central de operações integradas e inteligente para a cidade, que tem ajudado com a questão da mobilidade urbana. “Ela consegue sincronizar ondas verdes semafóricas para ter mais fluidez nas vias em horários de maior gargalo”, explica. Além disso, é possível monitorar em certas localidades, em tempo real, possíveis sinistros, acidentes e demais ocorrências, permitindo atuar de maneira mais rápida sempre que necessário.

 

O prefeito contou que foi criada na cidade uma muralha eletrônica capaz de fazer a leitura das placas dos veículos identificando quando é consequência de roubo ou furto. “Isso fez com que vários indicadores melhorassem no que tange a mobilidade urbana. Segundo Lins, nos últimos quatro anos, o número de óbitos no trânsito caiu 47% após o investimento, além dos índices de criminalidade, que também apresentaram uma queda expressiva, consequência do conjunto de iniciativas implementada pela prefeitura. “A tecnologia funciona de maneira preventiva e ostensiva, porque se comunica com os policiais em tempo real e ainda ajuda na parte investigativa”.

 

Rogrerio 01.png

 

 

 

“A tecnologia funciona de maneira preventiva e ostensiva, porque se comunica com os policiais em tempo real e ainda ajuda na parte investigativa”

 

Polo tecnológico

 

À medida que a cidade vai ganhando mais fluidez, segurança e qualidade de vida, é natural que ela se apresente como uma oportunidade de negócio interessantes para as empresas se instalarem na região, principalmente de cunho tecnológico. “Começamos a apresentar a cidade para grandes empresas do setor de tecnologia e, nos últimos quatro, cinco anos, companhias importantes se consolidaram em Osasco”, revelou Lins (a relação de empresas que abriu esse texto mostra bem isso).

 

O segredo disso, segundo Lins, está em fazer uma série de arranjos para consolidar, conciliar a vida dessas novas empresas e entender as expectativas daquele novo empreendimento que desembarcou na cidade. “É um trabalho bem corpo a corpo”, disse. Tem dado tanto resultado que Osasco foi uma das cidades que apresentou um dos saldos mais positivos em geração de emprego, segundo o CAGED.

 

Os próximos passos do prefeito serão na direção de firmar parcerias para consolidar Osasco como um dos principais polos tecnológicos do Brasil ou, como o próprio Lins diz, o “Vale do Silício brasileiro”. Para isso, ele tem visitado outras iniciativas referências país afora, como em Porto Seguro (Porto Digital) e em Florianópolis – cidades que despontam em tecnologia e inovação no Brasil.

 

Perdeu as apresentações do Fórum Cidade & Mobilidade? Confira tudo o que rolou abaixo durante os dois dias de evento.

Dia 1

 

Dia 2

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Compartilhar