O valor dos dados para os mercados de Adtech e Martech

Capa Adetech 3

Os mercados de Adtech e Martech – startups que unem tecnologia a estratégias de marketing – cresceram muito nos últimos anos, acompanhando a adoção das mídias digitais e a disputa pela atenção dos consumidores por parte das marcas. Para se ter uma ideia, o Brasil tem mais de 720 Martechs, cujas soluções já atraíram US$ 199,8 milhões, semelhante ao registrado em 2019, quando a categoria captou US$ 199,7 milhões. Os dados são do estudo Inside Martech Report.

 

Flavia“Acredito que a programática e o acesso a diferentes bases de dados somados às tecnologias de targeting e retargeting impulsionaram muito o mercado de maneira geral”, opina Flávia Coelho, a “Flay”, CMO e cofundadora da Mobees, startup da área de mídia Out of Home e tecnologia. Segundo a executiva, os dados são um dos principais pilares para o sucesso dessa nova onda de marketing que ajuda as empresas direcionarem melhor suas mensagens para o público que se deseja atingir.

 

Para Flay, os dados são extremamente importantes para quem busca otimizar suas campanhas e evitar desperdícios de orçamento. Além disso, eles geram aprendizado sobre o público que deseja atingir sem que as marcas errem tanto para isso. “Atualmente, utilizar dados para segmentar consumidores por demografia ou interesses é um must have para marcas que querem impactar a pessoa certa no dispositivo certo no momento certo”.

 

Atualmente, utilizar dados para segmentar consumidores por demografia ou interesses é um must have para marcas que querem impactar a pessoa certa no dispositivo certo no momento certo

 

 

Respeito à privacidade

 

SegurançaJustamente pelo valor que os dados possuem para os mercados de Adtech e Martech, o marketing é uma das áreas mais impactadas pela recente Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Para as organizações, o mais importante é entender os impactos da lei para o negócio e antecipar possíveis ajustes e pivotagem. “No entanto, acredito que as questões relacionadas à privacidade geram boas oportunidades de diferenciação da marca para quem se antecipar na adequação à LGPD”.

 

Por ser um setor relativamente novo, os desafios são inúmeros e envolve o ecossistema de anunciantes como um todo, plataformas, veículos e agências. O mercado de mídia Out of Home, segundo Flay, tem sido muito pressionado pela entrega de dados de performance e por mais transparência no report das veiculações. “Isso também é uma novidade, já que é uma área muito acostumada a estimativas e pouco habituada a investir na captura de seus próprios dados primários”, explica. A Mobees resolve esse problema com tecnologia proprietária e embarcada.

 

Flay explica ainda que, nas mídias digitais, a falta de transparência e confiança entre anunciantes e as plataformas também têm sido um problema quando o assunto é o report de veiculação. Na opinião dela, atualmente, os anunciantes possuem um entendimento muito maior e mais sofisticado sobre a tecnologia utilizada na execução das campanhas e os indicadores são gerenciados “na unha” pelos times de performance.

 

“É importante para eles saber se o anúncio certo foi veiculado da maneira certa, na geografia certa, na página certa e para o grupo demográfico certo e, hoje, os dados apontam que cerca de 15% dos anúncios são exibidos incorretamente”. Entretanto, Flay acredita que isso vai se resolvendo aos poucos à medida em que a tecnologia vai evoluindo e as partes se alinhando.

 

Mercado em ascensão

 

CrescimentoComo mencionado logo no início, o mercado de Adtechs e Martechs segue crescendo. Segundo Flay, o interesse pelo setor representou 10% das empresas investidas por VCs e Private Equity no ano passado, ficando atrás apenas das Fintechs, Insurtechs e Healthtechs, que são segmentos bastante visados atualmente. A própria pandemia deu mais força para o crescimento e adoção das mídias digitais, trazendo ainda mais relevância para o setor.

 

 

A pandemia deu mais força para o crescimento e adoção das mídias digitais, trazendo ainda mais relevância para o setor

 

 

“Acho que estaremos bastante ocupados nos próximos anos na integração de plataformas e tecnologias que possibilitem a execução e gestão de estratégias de omnichannel de maneira mais eficiente e fluida entre os meios. Além disso, sempre confiei muito no uso de outras realidades (aumentada e virtuais) e acredito que o avanço da tecnologia vai resolver as dificuldades de adoção que tivemos até hoje”, finaliza.

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no pinterest
Compartilhar no print
Compartilhar no email

Compartilhar